A importância do cruise control para viagens longas

Apesar de, hoje em dia, haver muitas formas de transporte alternativas, conduzir continua a estar no topo das preferências dos condutores portugueses.

 As viagens mais longas, em particular, pedem sempre algum conforto extra, principalmente para o condutor. Para tal, o cruise control assume-se como uma tecnologia importante que auxilia o condutor na sua condução, reduzindo os seus níveis de cansaço e fadiga. Contudo, o cruise control também tem as suas contraindicações. Neste caso, a virtude está no meio e reside em saber tirar partido de uma ferramenta em situações específicas.

Afinal, o que é o cruise control?

A terminologia inglesa cruise control (que já adotámos no nosso dia a dia) significa, à letra, “controle de cruzeiro”. Este termo diz respeito à tecnologia automóvel através da qual o condutor de um veículo consegue fixar uma velocidade, sem que para isso tenha de carregar no acelerador. No fundo, é uma experiência de automação de condução. É muito útil para viagens mais longas e monótonas (por exemplo, em autoestradas) mas também tem as suas desvantagens.

Os principais benefícios do cruise control

Comecemos pelos principais benefícios do cruise control:

Melhora as médias de consumo de combustível e ajuda a poupar

Para quem tem um estilo de condução pouco consistente, caracterizado por fortes acelerações e travagens mais abruptas, o cruise control pode ser um poderoso aliado. Definindo uma velocidade limite constante para a sua viagem, conseguirá melhorar as suas médias de consumo (numa perspetiva global) e, com isso, poupar algum combustível.

Ler mais: “Preço combustíveis: dicas essenciais para conseguir poupar”

Menor fadiga do condutor

Para além de ajudar com as médias de consumo, o cruise control é um poderoso aliado na redução da fadiga do condutor e na melhoria da experiência de condução. Em viagens longas e monótonas, normalmente em autoestrada, o cruise control ajuda-o a conduzir de forma mais confortável. Basta, para isso, definir a velocidade a que deseja viajar e pode parar de pisar o acelerador.

Ler mais: “Condução autónoma: conheça os 5 níveis

Cumprimento da velocidade legal estipulada

Quando viajamos em autoestradas largas e desimpedidas, é normal que a perceção de velocidade mude e que, sem darmos por isso, estejamos a conduzir acima do limite de velocidade permitido. Mais do que uma regra basilar do código da estrada, estamos, aqui, a falar de segurança rodoviária. Excesso de velocidade nunca abona a nosso favor. É por isso que uma das grandes mais-valias do cruise control é fixar o limite de velocidade, garantindo que ele nunca é ultrapassado.

Desvantagens do cruise control e principais cuidados a ter

Mas nem tudo é um mar de rosas e há situações em que o cruise control é altamente desaconselhado. Entre as principais desvantagens deste sistema, destacamos as seguintes:

Perda de controlo e menor tempo de reação por parte do condutor

Pelo facto do cruise control fomentar níveis de relaxamento maiores ao condutor, muitas vezes, esse relaxamento pode ser excessivo e ter, como consequência, o aumento do tempo de reação por parte de quem conduz.

Para além disso, o cruise control dá menos controlo ao condutor durante as manobras de ultrapassagem (já que a velocidade é constante), assim como um menor controlo da direção do veículo. 

 Existem estudos publicados que efetivamente atestam o aumento do tempo de reação quando o cruise control está ativado. Por isso, é importante ser-se criterioso na utilização desta tecnologia.

Deve apenas ser utilizado em circunstâncias muito específicas

Uma vez que o cruise control estabelece uma velocidade constante durante todo o período de condução, não deve ser utilizado em todas as situações.<

Este sistema não deve, de forma alguma, ser acionado em estradas com muitas curvas e apertadas, em estradas com inclinação significativa e em situações em que o trânsito esteja forte. Para além disso, também é desaconselhada a utilização do cruise control em condições atmosféricas adversas, tais como, dias de chuva intensa e dias com propensão à formação de neve, granizo ou geada.

Ler mais: “Os principais cuidados com o carro no inverno”

Como funciona o cruise control

Já percebemos que o cruise control tem a grande mais-valia de fazer com que o carro ande a uma velocidade certa e constante, sem ultrapassar o limite definido pelo condutor.

Uma característica muito importante desta tecnologia é o regulador PID, uma sigla que, em inglês, significa proportional, integral, derivative. Em português: proporcional, diferencial, integral.

Este regulador faz com que, num determinado intervalo de tempo, seja feita uma comparação entre a velocidade a que o carro vai e a velocidade desejada e, com recurso ao histórico de velocidades, seja calculada e aplicada a potência correta no motor do veículo. É desta forma que o motor sabe que se faltar muito para chegar à velocidade pretendida, terá de aplicar mais potência e vice-versa.

O regulador PID é de extrema utilidade para, por exemplo, evitar a perda do controlo do automóvel em curvas mais apertadas, ou para evitar oscilações de velocidade muito grandes e abruptas.

 Cada uma das funções do regulador PID, tem uma função específica:

  • Proporcional (P) – aproxima a velocidade atual à velocidade desejada, nos casos em que a diferença seja maior.
  • Integral (I) – ajuda a manter a potência correta para garantir que a velocidade seja sempre aquela que foi determinada pelo condutor.
  • Diferencial (D) – estabiliza a velocidade do automóvel quando esta se aproximar do limite de velocidade previamente definido.

O cruise control adaptativo

ativação do cruise control adaptativo

Para além do regulador PID, dependendo do modelo do carro, pode ainda existir o cruise control adaptativo que é um sistema altamente cómodo e que, de forma simples, ajusta a velocidade do carro em função da distância a que ele se encontra do veículo da frente. Desta forma, o carro tem a capacidade de manter uma distância de segurança constante e de automaticamente reduzir a velocidade, se necessário. Em risco iminente de colisão, o cruise control adaptativo pode inclusive travar completamente o automóvel.

 E se a velocidade estiver definida para, por exemplo, 100km/h?

 Nesse caso, o cruise control adaptativo irá reduzir a velocidade do automóvel de forma a manter a distância de segurança do obstáculo da frente. Assim que a faixa estiver desimpedida, o cruise control adaptativo voltará a repor a velocidade previamente definida.

É importante ainda ressalvar que o condutor tem a possibilidade de definir e regular a distância de segurança a partir da qual o cruise control adaptativo deve ser acionado.

É por tudo isto que o cruise control adaptativo tem a grande vantagem de dar conforto extra ao condutor durante as viagens mais longas, ao mesmo tempo que, travando automaticamente perante os obstáculos na via, minimiza os riscos de potenciais distrações e menores tempos de reação por parte do condutor.